CANTÃO DE BORACEIA - FOTO ROSELI JAN/10 - AONDE RESIDE O MEU CORAÇÃO

O DASA MAHAVIDYA ENTRA NUM FLUXO DE REEDIÇÃO.AO RELER VÁRIOS ESCRITOS AQUI POSTADOS, FICO PASMA E ENVERGONHADA. TOMO CONSCIÊNCIA DA DIMENSÃO DE MINHAS FACETAS DE MULHER. ALGUMAS BRILHANTES , OUTRAS TENEBROSAS.ENFIM PRESERVO AS TENEBROSAS, POIS NINGUÉM FOGE DO QUE É. E QUEM SABE AO REMEXER NESTES CASTELOS DE AREIA, EU ENFIM CONSIGA SARAR AS MINHAS FERIDAS.



QUANDO ALGO DEIXA DE EXISTIR ....NÃO HÁ O QUE DESCREVER....RESTA A LEMBRANÇA....QUE CADA UM PRESERV

QUANDO ALGO DEIXA DE EXISTIR ....NÃO HÁ O QUE DESCREVER....RESTA A LEMBRANÇA....QUE CADA UM PRESERV

DASA MAHAVIDYA - KAMLA

O DASA MAHAVIDYA
livro de areia
atemporal
tal qual as minhas lembranças.

sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

ESQUELETOS


A PRIMEIRA APARIÇÃO
ESPECTROS DA SOLIDÃO NOTURNA
Parte 1



Na madrugada os olhos estalam! Estranho o colchão, o cobertor.
Apalpo a procura do conhecido e nada encontro.
Não dormi em minha cama, não estou em casa, embora segura, pois sei que estou em lar amigo!
Há tempos venho sobrevivendo sem meu lar!
A garganta aperta de sede, de ressaca!
Aperta mais forte ainda pelo choro mal derramado na noite anterior!
Caminho pelo escuro a procura de luz, de água e de cigarro.
Fixada na janela, meio corpo dentro, meio corpo fora.
Hipnotizada pelo chão longicuo!
Um fascínio a muito conhecido!
Imagens, frases, sons da noite anterior insistem em penetrar-me .
O gosto do cigarro agora é amargo e cheira a aborto!
Censuras insistem em me apegar!
O que fiz, o que disse!
Que se dane, cada um que carregue seu fardo!
E o meu é ser transparente!
Despeço-me do chão acolhedor, que insiste em me chamar.
Enrolada, encolhida, feito um feto, procuro pelo sono
Fuga da solidão dantesca que aperta a alma.
Imagens invadem a tela mental!
Homens decapitados circundam o espaço.
Pescoços abertos preenchidos por gosma esverdeada.
Procuro as cabeças.
Não há cabeças.
Só há corpos vivos e decapitados!
Em rumos desnorteados!
Perdi a cabeça!
Desperta-me a luz matutina.
A chuverada norma recobra-me o animo.
A água carrega as farpas esgoto afora.
As farpas do "arrame farpado" dilaceraram as carnes
A alma permanece intacta!
O apartamento permanece no silencio.
Tanto eu como chão permanecemos sós!
Amanheci para o amanhã!
Rose
29/02/08

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

HUMANIZAÇÃO

Humanizar um verbo em voga nestes últimos tempos!
Há políticas de ações voltadas a tornar os ambientes de trabalho e/ou de prestação de serviços mais humanos , acolhedores, menos frios.
Redundante !Sinal da Miséria Existencial que acomete a humanidade ! Seres humanos criam ações e diretrizes políticas tornar mais humanizados os ambientes que ocupam!!A desumanização é cria da ganância e da subjugação pelo abuso do poder.
De que humanizações estão falando? E a que desumanização estamos nos referindo?
Os espaços ficam frios, gelados a partir do momento em que o lucro desmedido é objetivado, seja ele concreto ou abstrato e no geral é obvio uma conjunção dos dois.A análise acima pode ser a primeira vista avaliada como simplória e ingênua . E alguns vão me dizer : “A conjuntura é mais complexa"... E lá vem análise e análise....
A desumanizarão nasce nos pequenos atos cotidianos, todos nós no fundo valorizamos estas condutas, senão, não seria o perfil das pessoas que ocupam o escalão do poder. Somos nós que os colocamos lá e no fundo invejamos o lugar que ocupam! Tanto cobiçamos seu poder , que imitamos os seus atos em pequenas fraucatuas cotidianas, quer seja no ganho de migalhas ou nodesrespeito cotidiano nas relações humanas e com a vida deste planeta.
Reich, traduzindo grosso modo os seus pensamentos, referia -se que quando um tirano é deposto ,aquele que o destitui ao assumir o poder torna-se pior que ele. É a natureza humana ! Discordo! Fecho com Reich. Sou mais otimista com relação à humanidade. Este comportamento não tem suas raízes na pulsão de morte e sim no nosso sistema patriarcal. Nas relações de mais valia que estrutura nossa sociedade e mutila a nossa humanidade, dignidade, a busca pelo prazer e nos distancia de nossa natureza primaria.Sistema este enraizado nas ações cotidianas, nas relações afetivas e na alienação de nossos desejos. Quanto mais sofisticados nos tornamos ,mais precisamos nos sutilizar dos subterfúgios das máscaras .Criamos postulados epolíticas de ações , nos enfiamos horas a fins em reuniões discutindo as diretrizes para implantação destas ações . Ao mesmo tempo em que desmerecemos o colega ao lado porque em um dado momento mostrou ser mais capaz que eu!
Estamos tão familiarizados com a desumanização que a indiferença diante dos pequenos e grandes horrores cotidianos é normal, uma reação adequada,valorizada! O Homus Sapiense racional não pode deixar se afetar. Algumas e talvez igenuamente vejo que nos armamos dessas intelectualizações porque no fundo sabemos que se uma oportunidade nos cair nas mãos faremos o mesmo!
A desumanização é uma porta aberta dos manicomios existencial! Sintoma da peste emocional que nos assola, corroe as entranhas da dignidade humana.
Neste sentido somos todos excluídos e violentados em nossas dignidades existenciais e não só aqueles a quem cuidamos e criamos ações de inserção social.
Carece questionarmos as nossas duplas mensagens, duplas ações! Urge olharmos para nossa "dupla personalidade", para nossos papeis, intenções ações implicitas e explecitas, para dicotomia presente em nossos "corações" , para o Dr. Jack e Heide que reside dentro de cada um.


Namastê
A Dignidade presente nas pequenas ações éticas cotidianas.
Sem ela não há Humanização
NAMASTÊ
!
ROSELI T. MONTANARI

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

BALAIO DE GATOS

Como todos os visitantes assíduos deste local bem sabem , este se configura por um espaço intimo , um tanto caótico permeado por mil facetas . Relatos de vivências pessoais, um livro de memórias..... Estudos sobre mitologia hindu, há um espaço esotérico.....Enfoque sobre a Análise Bioernegética e Saúde Mental....há site científico......Músicas , poemas , fala sobre arte....Etc..Etc!!! Isto não é o importante!Dasa Mahavidya é um balaio de gatos ! Não caros leitores ! Ele é a Roseli no seu cotidiano, investi uma existência por acreditar na transparência de meus desejos, sensações, sentimentos, pensamentos e ações! Isto é vibrar ! Alguém que está presente em sua vida, pulsa ,vibra e expressa-se espontaneamente!E hoje vem a tona a minha indignação e vou usar este espaço para digerir a minha raiva pelo desrespeito e pela hipocrisia . Já nos meus 50 anos ainda fico pasma pelos jogos de poder e manipulações, e vejam bem não sou ingênua e conheço bem a sordidez que os atos humanos podem atingir. A busca pela fama e sucesso e as glorias ilusórias de deter o poder nas mãos . Ilusórios sim, vejam bem os rumos do eco-sistema terra , a beira da falência da vida . Resultado da espécie que ocupa o topo na escala alimentar. Ela tem o poder e o domínio do planeta , doce ilusão em questão de segundos o que ela criou ou melhor destrói lhe devora!A minha atual opção de vida é pela minha natureza primária , a que pulsa , a que busca pelo poder de ser e não do ter. Pois "sendo" encontrei paz e deixei de viver atemorizado, quando orientava as minhas ações no "ter" vivia atemorizada com a perda, não havia paz.Em todas as opções de vida há um custo! Prefiro pagar o preço do isolamento e da desqualificação. Pois segundo a ordem vigente social-política-econômica-científica-profissional-familiar-afetiva são valores para serem ensinados, discursados e escritos até , de forma nenhuma eles devem orientar as nossas ações !!!Vejam bem a bela imagem acima , dos gatinhos em cestas olhando as aranhas e pequenos pardais a volta! Este é o desenho dos encantadores de ilusões, mostram faces que escondem a sua verdadeira natureza!Sou uma gata selvagem, é de minha natureza comer pardais e não brinco com aranhas pois elas podem ser venosas!Quando digo que o que orienta a minha vida : é o amor , o trabalho e o conhecimento não estou montando cenas de encantamento. Com tal projeto de vida não tenho energia para desperdiçar com joguinhos de esconde-esconde!O que é escondido se deteriora, no Maximo vira relíquia! A essência se perde!E o essencial é ter o prazer de estar plenamente vivo!Só há prazer de viver quanto expressamos a nossa natureza primária!
Namastê

domingo, 24 de fevereiro de 2008



E assim é amar .... do jeito que se é .... e não como deveria ser.

sábado, 23 de fevereiro de 2008

Tansparência



Ao terminar de assistir o video havia um sorriso em meu rosto!
Tenho saudades deste poeta.
Vejo que foi uma pessoa que andou de braços com medo em busca do prazer de viver.
E sinto, apenas sinto, ele conseguiu! Estar entregue a vida!
Entregue ao que sentia...ao que era.
Embora sua boca expresse uma "dúvida".
O seu corpo ,seu espirito nos passa a verdade.
Apostar na vida é assim ,
Diante do apocalipse!
Valoriza-se a rendeção!
Um Dom de viver!
Embora eu saiba que não sou portadora desta preciosidade.
Invisto em procurá-la dentro de mim.

Namastê

A Compaixão de Garuda


Na maravilhosa região de Kailas(montanha)- o Kailas sutil que não pode ser visto por olhos humanos comuns - estava situada a Morada de Shiva (divindade da Trindade Hindú - Deus da Destruição (transmutação).


Uma tarde, Vishnu ( divindade da Trindade Hindú - Deus da Preservação) foi visitar Shiva. Ele deixou seu veículo vivo, Garuda (ave mítica - metade ave metade homem), em frente ao grande arco natural que levava à morada de Shiva.


Garuda ficou pousado, sozinho, maravilhado pela grandeza do lugar- o físico e visível a todos. Os esplendores dos raios do sol poente tinham espalhado sete cores pelas brumas e neves que envolviam os picos elevados.


De repente, seus olhos caíram sobre uma bela criatura, um pequenino pássaro pousado no arco de pedra. "Como é maravilhosa esta criação! Aquele que fez este gingantesco Himalaia, fez este minúsculo pássato - e ambos parecem igualmente magníficos!", pensou.


Justamente então, Yama, a Deidade que preside o Destino e a Morte, ia entrando no arco, talvez com a intenção de ter um "Darshan" de Shiva. Quando ele ia passar para o outro lado do arco, seus olhos caíram sobre o pássaro, encaminhando-o atentamente. Suas sobrancelhas se ergueram. Então, desviou o olhar e desapareceu por trás do arco.


Garuda, que estava observando a cena, disse para si mesmo: "Yama, quando olha desse jeito, só pode significar uma coisa : o tempo da ave findou! Talvez quando voltar ele leve sua alma embora!"


O coração de Garuda estava cheio de pena pelo pássaro. Ele queria salvá-lo da morte iminente. Mas disse: " As leis do Destino estão trabalhando. Não é de minha conta interferir nelas!"


Um minuto se passou. Garuda sentiu que suas emoções não estavam pacificadas. "Se eu posso salvar o pássaro, porque não devo fazê-lo?", ele se censurou. No momento seguinte, uma outra voz disse-lhe: "Este é meu impulso egoísta. Quem sou eu para salvar alguém?" De repente, ouviu uma voz sutil , falando de suas profundezas: " No momento, não estou certo se a sabedoria está em agir ou não agir. Suplico que, o que quer que faça neste estado de incerteza, se torne pare do esquema total Providencial. A Ti , meu Senhor, ofereço minhas emoções e ações!"


A seguir, apanhou o pássaro e, com a velocidade de um raio, desceu até Dandakaraya e colocou-o sobre uma rocha, ao lado de um regato. Retornou então a Kailas e esperou por Vishnu. Porém Yama saiu mais cedo e, ao ver Garuda, sorriu-lhe. Garuda cumprimentou o deus e disse:


"Posso lhe fazer uma pergunta? Quando estava entrando, você viu um pássaro pousado no arco e, por minuto, ficou pensativo. Por que?


"Oh! Já tinha esquecido tudo. Bem, quando meus olhos pousaram nele, vi que ia morrer em poucos minutos devorado por uma gingantesca serpente, lá longe em Dandakaranya, perto de um riacho. Fiquei imaginando como este minúsculo pássaro poderia cobrir esta enorme distância em tão curto tempo . Depois esqueci tudo, Certamente deve ter acontecido de algum modo. Era hora para essa pequenina criatura nascer de novo."


Yama sorriu e foi embora. Será que ele sabia do papel desempenhado por Garuda neste incidente? Não sabemos. Mas Garuda ficou aturdido. A principio, em dúvida se devia ficar triste ou feliz, logo transcendeu a necessidade de permanecer em tal estado de mente e disse:


"Oh! Senhor, sou um veículo Teu! Que eu permaneça Teu veículo, tanto na ação quanto na inação."


E voltou a seu ânimo de eqüanimidade iluminda.


Conto extraído do Livro de "Histórias da Índia antiga" - recontadas por MANOJ DAS - Editora Shakti


Gosto da simplicidade aparente dos contos hindus, o simples contém as facetas da sabedoria, a cada olhar devela-se uma face. A verdade é um ponto de vista, de nossa acuidade visual momentânea.


Ao folhear as pagninas deste livro , em meio ao marasmo deste sábado aquoso, ao som da tempestade sob o tedo zinco, deparo-me com a Compaixão de Garuda. Como ler e não remeter a mensagem as minhas ações cotidianas, de um olhar viciado sobre o "si mesmo"! Mais sou assim, antes de ver as ações do outro ...olho pra minhas. No fundo vemos o mundo segundo os nossos sentidos.


Hoje , e não sei amanhã, o tema do conto remonta sobre a entrega. Não importa as tramas do destino, este definido como fatalista ou um emarranhado de teias de ações múltiplas e sistémicas.


Afora os nossos desejos onipotentes ou impotentes diante do curso da vida , meras vaidades de nossa fragilidade humana, nos resta a potência de nossos sentimentos entregue em nossas ações ou inações . A paz não nasce da certeza de que escolhemos o certo, ou melhor, o dever!


A nossa potência na vida está na entrega aos nosso sentidos . A conjugação harmonica de nossos pensamentos , sentimentos , emoções , ações e inações . E creiam a não ação tambem é uma ação!


E quem sabe ao lerem este conto , decidam repartir o que ele lhes dispertou!


Namastê


Rose






sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

SKANK - DOIS RIOS


A música sempre disse que a boca não articulava
Alguns pulsares são tão forte, que a poesia pode traduzir o que o coração sente e alma almeja.
Assim são Dois Rios, neste últimos tempos.
Tão sem direção !...ao mesmo tempo tão certa!...de quem sou!...do que sinto!...do que desejo!...do penso...do faço!...do que amo!!!
Namastê
Rose

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

CAZUZA - O TEMPO NÃO PARA



O TEMPO NOS ESCORRE PELAS MÃOS
ESTA SENSAÇÃO SÓ TEM QUEM TÁ REALMENTE VIVO
MERGULHADOS NA ALIENAÇÃO DE SOBREVIVER
DESMERECEMOS OS MARCADORES DO TEMPO/ESPAÇO
QUE LIMITAM OS NOSSOS ABRAÇOS, AFAGOS EBEIJOS
ALIENADOS AMAMOS MENOS
MULTILAMOS NOSSAS ENTREGAS
A MORTE SEMPRE NOS REMETE
AO ENCONTRO DE NOSSA FRAGIL
REAL EXISTÊNCIA
QUEM ESTAVA CONOSCO NUM SEGUNDO
NO OUTRO NÃO MAIS.
HÁ UM BEIJO
A SER DADO
UM ABRAÇO ABORTADO
UM EU TE AMO ENGASGADO.
UM TE QUERO PERDIDO
DESPERDICIOS....
DESPERDICIOS.....

NAMASTÊ

HOMENAGEM A SANDRINHA
QUE ME ENSINOU A PRECIOSIDADE
DA SINCERIDADE

ROSELI MONTANARI

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

O JULGAMENTO - "A LEI DO RETORNO" - " O QUE FAZER COM ELA"


Existe realmente "Um Dia Depois de Amanhã"
Leitores, não atoa que o título é este...remete-me ao filme do mesmo título.
Sentia-me a verdadeira sobrevivente do "Um Dia Depois de Amanhã"....completamente desnorteada no ínicio....olhando os destrossos...e após a catatônia inerente a toda tragédia começei a traçar um caminho errante...caminhei pelo vale dos sem destino e lá permaneci um bom tempo...neste lugar não há amigos ...apenas sobrevivemos no nada.. alimentei-me da desesperança...e sem saber pra onde ir....sentindo nas visceras que não poderei permanecer na proteção do nada....caminhei sem rota, destino ....na procura do sei lá ....topei com o vale das lamurias....e lá pedi abrigo....e aprendi as lamber as feridas me lamuriando ....assim aprendendo a costurar as entranhas e as peles com a compaixão... e lá fiquei por anos exposta nua e crua ...deixe-me ver em carne viva ...aprendi a não temer a exposição a suportar a critica ...sem nada esperar ...
aprendi a lamber meu corpo... sentindo e digerindo as secreções purulentas exaladas de minhas feridas ....ao sentir o gosto da pûs pude humanizar-me... e ai perdi o mêdo de realmente lamber o outro...e degustei...metabolizei ...e ai apreendi o outro em mim ...meia torta cambaleante decide de novo seguir caminho...sem muito esperar ou saber..fui fixando residência em tribos ....eles nada pediam ...nada questionavam...
ofereciam água...comida...um canto quente...e aí fui ficando...aprendi a gratidão...e sem muito esperar ....começei a retribuir...tecendo o que eles confeccionavam.....
Da dor...fui aprendendo...a respeitar....a amar...e ter compaixão...a me perdoar....
Os dias foram clareando...o sol aquecendo....a lua inebriando....e fixei residencia ...não mais em vales ...não em tribos...mais em mim...e decidi permanecer..por amor...por paixão...por entrega....meio sem nada esperar ...eis que um deus alado adrenta o meu campo...o mensageiro traz contigo o antigo ...com a cara de novo....e convida-me a deixar o mundo dos mortos....convida-me a renascer...olho..avalio...e sem nada esperar ....aceito o convite..
não tenho medo...tenho que ir sozinha...nascer...morrer...resnacer....trajeto solitário...não há como negar o convite...fiz por merecer...agora me escolho....sei lá ...o que me espera...a vidaéassim... incognita.... resnacer....ressucitar.... oportunidade de um devir....conjugado ao ontem....

Amigos a vida sem eu nada pedir defronta-me com o novo, e sei que não posso por medo negar as oportunidade que me chegam as minhas peles e desdobram-me .
Feliz pois sem saber a que terras navegarei de braços dados com o medo , estou entregue ao desconhecido.
A vida coloca-me em cheque-mate : Voce ou o outro! E certa que honestamente escolho eu!
Esta escolha ,portadora da esperança, de quem no intimo mesmo destorteada, nunca deixou de ter fé.
A fé e a força de crer, no desconhecido, a certeza remota de que haverá "Um dia após o amanhã" com as "Esperança do ontem".
Aguaro-me a pontos .....na esperança do tecer de nossos traços ....rumos a trajetos... que nos levam da tragédia a comédia....da comédia ao romance ...do romance a ação....da ação a tragédia....da tragédia a ficção.... a ficção devaneio de desejos de devires ....que um dia poderão ser...

O estse momentâneo vem da certeza que ponto de mutuação é o vislumbro de novos mundo
O que importa é que sinto-me viva...porque realmente tomei a decisão que posso: "Escolher a mim "...grande salto....a quem só via o outro...será que realmente via o outro?...ou via o espelho de meu "mêdo".
Namastê

sábado, 9 de fevereiro de 2008

Pueiras das Estrelas

Caros Leitores estou disponibilizando uma série que foi apresentada na Rede Globo, ela contem informações a respeito da Criação do Universo.
A intenção aqui é de deixar uma provocação no sentido de abrir portas para as correlações entre os mitos e a ciência.
Somos filhos da Criação, pois a vida surgiu a partir dos fragmentos da explosão douniverso! Assim o microcosmo está contido no macrosmo , ou diriam os Rosas Cruzes entre os esotéricos , tudo o que existe aqui , também existe lá.
Namastê
e aproveitem esta 1ª viagem
Rose




Parte 1 da série Pureira das Estrelas do Fantastico - Rede Globo

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

CORAGEM VEM DO MEDO



"Anônimo disse...
fazia algum tempo que não entrava no seu blog mais ontem depois que conversamos decidi dar uma olhadinha, e querida te falar que ele não é em vão, pois o desabafo de sentimentos, experiências e oque se encontra nele é de grande valor, claro que para cada um serve um trecho ou uma parte, mais acredito que todos que entram aproveitam algo, mais não espere muito das pessoas postarem para você, principalmente as que te conhecem, pois postar sobre algum comentario, ou conto é também expor medos, fraquezas, desejos, e nem todos tem essa coragem.
é dificil aquela pessoa que você conhece no trabalho ou na rua, aquela que a gente vê socialmente e não conhece o íntimo, falar eu já senti raiva, eu detestei algo, invejei. acho que é por isso que não tem tantas postagens. mas acho importante seu trabalho. e também olhe p/ esse blog como um espelho.
o espelho é um objeto que nos desnuda ao olharmos, olhando para ele nos enxergamos. assim é também esse blog um espelho de carne e alma.
não seí escrever bonito, mais quero que vc perceba nessa mensagem que seu trabalho não é em vão."


Uma grande amiga e companheira de jornada pelos universos da loucura, Antonia Alves, sempre citou :
"A coragem nasce do medo, e nós enfrentamos as situações indo de braços dados com os nossos maiores receios." " Voce e o medo de braços dados".
Este e´o conceito que faço da coragem.
E tenho a dizer : Desde de criança carrego este estigma de ser "corajosa"!Opinião unamine de familiares, amigos, professores, colegas de trabalhos e de cursos...
Após "SECULOS" de análises bioenergéticas transmutei esse traço de carater contra-fobico em um potencial para vida e o crescimento. Pois tenham certeza que quando me virem em um ato de coragem podem estar certos : "estava perto de congelar de pânico!"
O medo nos congela e amortece nossos as nossas potencias, principalmente quando são de esferas expressivas , com relação a exposição afetiva e social . Não se enganem o mundo é cruel em seus julgamentos. Entretanto somos nós que criamos este mundo e seus valores, assim estou transmutando os meus valores e ideiais de ego.
Editei o comentário acima porque ele é um ato de coragem, principalmente sendo de quem é. Uma moça que em sua sensibilidade decidiu romper seus medos de exposição pública para não me deixar sozinha aqui. Apesar de sua postagem ser anônima aos meus leitores, ela sabe que não o é para mim, eu conheço a forma de falar e o coração de quem eu tenho apreço.
E endoça que este espaço em um campo aberto a trocas , não importando se elas são ou não assinadas , oficializadas.

Grata pela visita anônimo e pela beleza sincera e simples de tua fala. A sabedoria vem da simplicidade , pois o sabio não tem necessidade de se defender floreando aquilo que sente e conhece .


Para entrar em meu lar não é necessário ter nome e endereço reconhecido, assim os anônimos são bem vindos também!
Não é necessário concordar, a descordia cabe aqui também , desde que ela venha com atitudes de respeito.

Namastê

Ao medo: "Mola propulsora da sobrevivencia e do crescimento!"

INDIFERENÇA FAZ A DIFERENÇA?



YANTRA PLANETÁRIO EM SANCRISTO



Aproveitando o inicio de minhas pseudo-s férias...e confinada por essa chuva que parece não querer cessar, resolvi reler as minhas postagens neste blog e ao terminar de primeiro veio me uma profunda tristeza! Identifico que as razões de tanta tristeza não se referem ao cunho pessoal e o nível de afetação emocional que compõem os estes escritos e muitos menos pela probleza literária que os compõem, acreditam antes deste blog a minha expressão escrita era bem pior.Tenho orgulho do que criei e da coragem de editado desta forma, cresci muito nestes últimos meses após parir este blog, não senti vergonha a ver postagens aonde deixei claro minhas experiências e anseios pessoais. O julgamento do outro já não mais me atingi , já tive a minha vida pessoal desnudada publicamente, pelas ações de outros, e lá doeu muito e a enfrentei de cabeça erguida e sai de lá fortalecida em minha humanidade e integridade. Hoje eu as desnudo pelas minhas próprias mãos e desta forma elas compõem um espaço de auto-ajuda. Muitas foram às horas dentro privacidades de settings psicoterapeuticos, agora necessitam de um campo aonde expressar minhas mazelas , angustias, alegrias , desejos e anseios....um campo para me costurar.Um campo de construção de um eu, deixar uma marcar e dizer que eu existo neste universo! e deixar uma cria, sementes de afetação!Ais residiram a minha tristeza ! Poucas foram as vezes que alguém comentou o que escrevi! Alias só o Sr. André Nunes ! A quem sou grata pela sua generosidade, e devido ao nosso convívio profissional sei que a sua generosidade tem raízes em sua forma de ser , é um incentivador das produções das pessoas e sempre encontra algo positivo a dizer delas ! Faz isto com todos e não é um privilégio só meu !Que sentido faz para o outro o que escrevo aqui ! A indiferença me devolve que nenhuma provocação causa, nenhuma mensagem fica!Estas sementes não germinam em solo algum!Quando a pessoas se desnudam : abrem os campos do sentir, do pensar ,os campos das experiências, não estão a espera só da aprovação ou reprovação e sim do contato , da inter-relação humana, do dialogo.As portas abertas deste blog equiparam-se as portas abertas de uma casa. A minha forma de serdenota que não abro só a sala de visita e o lavabo, aqui as pessoas entram e vêem todos os cômodos. Eu não tenho nada a esconder! E já optei por não me esconder de nada! Tanto o marcador de visitas anteriores e o atual mostram pegadas ....várias pegadas....visitantes ocasionais...visitantes freqüentes e nada teen a dizer dessa casa ! Acredito que é a indiferença que regem as relações humanas atualmente nos campos virtuais ou não . E se não vejo vantagenspessoais , apenas fico a bisbilhotar e me finjo de morto!Triste ao que chegamos! Solitário e miserável os campos das relações humanas.Desculpem, possíveis leitores , o teor desta postagem, mais se eu não falasse deletaria este blog agora. Não o faço porque é minha cria, e hoje o sinto com vida própria.Ele tem muito a ver comigo e como estive nestes últimos meses, por isso a primeira vista pareça confuso , desordenado , numa ordem e razões que só eu entendo!Digo aqui que ficou contente também pelo que vi , ultimamente este vem ganhando uma ordenação , um growding , um solo . Reflexos do growding e da potencialização que venho ganhando na vida real.Como um amigo disse-me um dia : "é meu karma falar e não ser ouvida e compreendida"...."e tempos mais tarde o que disse seja aceito por todos como normal" ...." e nenhuma menção me seja dada" . Esta fala me trouxe consolo e alegria : “quem sabe de alguma maneira eu possa ter contribuido para essas novas geminações e criações .·Concluo que vou continuar com este Blog, embora esteja ciente que os desejos postados em sua abertura não venham a se concretizar ...... os espaços estão abertos a composições de outros....mais não posso fazer pelo outro ....apenas deixar a porta aberta sem medos!”.
··Namastê ·
a solidão é um espaço também de criação”.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Emaranhado


>

Nestes últimos dias desde a ultima postagem sobre as Nityas, fico um tanto incomodado , sinto-me presa a obrigação de dar continuidade à discussão sobre as Mahavidyas . Um pé cá e outro lá .
Parece que deixei as terras de Tripur Sundari, entretanto não terminei de falar sobre suas Nityas!!!
Retrato o meu atual estado existencial. Sinto-me fora do ar e não cabendo nos espaços.
Sabe é como emagrecer em um dado lugar em seu corpo e engordar em outro!
É meu tórax está desinflando e meu quadril arredondando ! E isto ocorrendo em minha faixa etária!
Estranhos caminhos da energia, só eles explicam tal ocorrência.
Sou tomada pelos sentimentos ardentes da paixão adolescente mesclada a sobriedade da meia idade.
Meia idade! Absurdo! Não me sinto na meia idade ! Acho que não tenho idade alguma!
Observo os espaços que ocupo , e eles não me pertencem . Eu não pertenço a eles!
E em nada esses sentimentos me apavoram , apenas eu os observo e aguardo o momento de ir ! Para onde a vida me levar!
Tenho a sensação de estar presas nestas terras dos ciclos lunares , das Nityas, a procura ou espera de um desfecho. Há um sentimento de incompletude!
Falta uma experiência , um desfecho de amor , de paixão de criação!
Suspeito que seja assumir os solos em que piso, tomar posse do que sinto e do que calo!
Um dos meus grandes entraves existenciais!
E esta resposta esta nos ciclos lunares , nos ciclos da noite da criação e da paixão.
Em Tripura Sundari resgato a menina , a mulher !
Desfaço-me das amarras com o passado.
Numa alquimia de alma , alcanço o perdão.
E tenho compaixão de mim e de quem me magôo.
Ganho a liberdade !
Hoje não devo nada a ninguém e nem a mim.
Estou perdendo o medo de amar !
Estou recuperando a alegria de viver!
Meu corpo começa a vibrar novamente !
Talvez precise de mais tempo e cuidado !
É nestes momentos de germinação , que a cria merece mais atenção e cuidado!
Talvez não seja hora de partir em direção a novas esferas.
Vou ficar um pouquinho mais !
Namastê

terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

PRECIPÍCIOS D'ALMA

SOLOS D'ALMA





Parte 2

Hoje, desnuda não só do que tive , mais das arrogância , prepotências e onipotências !
Encontro-me novamente num carnaval, tranqüilamente fazendo o que quero e não o que deveria fazer ou que querem que eu faça!
E constato que isto é LIBERDADE!
Ao re-escrever este sonho e re-lembrar estas épocas , inicio de meu
Relacionamento com o Wagner , fecho um espaço em aberto na minha alma.
E entendo a lição a ser aprendida naquela meditação!
Somos prisioneiros de nossos sonhos , de nossas posses materiais e mais ainda de nossos ideais de ego.
O brilho negro no olhar da menina revela o mal em nós e o meu mal é a arrogância e prepotência em aproximar-me dele e crer que posso purifica-lo.
Permaneci em um grupo, que no fundo a muito era conhecedora de seus conflitos, e que este estava fadado à morte! Desmerecia o que via , pois acreditava poder modificar seus rumos..... pois tinha sede de pertencer e acabar com a minha solidão!
Envolvida pelo desejo do outro, convive dez anos com alguém perdido em meio a sua crise existencial, dividido entre o “bem” e o “mal” de sua alma . Travei um combate que não era meu e só poderia sair dele morta!
Até esse momento, era assim que concluía , o combate não era meu!
Talvez a batalha não , mais o resultado sim . Eu tinha que morrer.
Morreram os valores , as posses materiais, a força de combate , as crenças !
A minha maquina fotográfica espatifou-se! E dela nada restou!
A dor desta morte , ardia em desespero, agonia , era pura loucura!
Loucura da não existência !!! Pois acreditamos que somos aquilo que temos! E a sociedade , em nossos cotidianos , endossa e assina em baixo : Você é aquilo que tem materialmente ! Você é os seus Ideais de Ego! Neste mundo só cabe o sucesso !
A dor era tão dilacerante que só tinha duas opções :
- Optaria por reconquistar tudo e me agarraria a minhas novas posses . Redobrando a vigilância a novas ameaças e ataques as minhas posses materiais e egóicas. Aumentando a minha ganância e usura de alma.
- Ou então me desapegaria e aceitaria o desafio de existir sem nada .
Desconheço as razões que me levaram a optar pela segunda saída, não foi por desenvolvimento espiritual , talvez pela constatação da dor. Quando não se tem nada ... não há o que temer . E aceitei o desafio de ficar na não existência e encarar o que sou.
Desta forma permaneci trabalhando , pois foi a área de cuidadora/curadora que ficou intacta. Esclareço que foi o exercício cotidiano de minha profissional que permaneceu intocado e não as glórias sociais e profissionais estas também foram demolidas.
E hoje eu sei porque , o exercício de cuidadora/curadora faz parte de minha essência , é o meu grande amor e ele não se quebra nas quedas.
Desconheço em que estágio eu estou desta estrada , só sei que encontrei a paz e a dor se foi.
Ainda permaneço no quarto de despejo , arrumado por meu pai , para torna a minha estadia mais digna. Este lugar ainda me incomoda , hoje por razões diferente de quando lá me hospedei . Já não é porque fere o brilho de meu ego social e sim porque minha essencial não cabe mais lá.
Aguardo , encontrar qual será o próximo lugar que ocuparei , ciente que ele sempre será passageiro !
Gostamos de pensar que a nossa evolução sempre ocorrerá tranqüilamente , falamos de desapegos , de compaixão e de iluminação espiritual da boca pra fora . Acreditamos que ela
Possa ocorrer em nossas mentes , pois temos medo de senti-la nas carnes .
E o que é crescimento? Senão estar entregue e assimilando as nossas vivenciais , nossas alegrias e dores. E ai encontrando o amor e o estase de estar vivo.
Encerro com Namastê
Pois reconheço o bem e o mal entro de mim , dentro de você.
Reconheço também que sem o mal , não poderia ter encontra este bem estar.

Dedico esta postagem a você Mestre Rodolfo,com sua arrogância e prepotencia e deslealdade,possibilitou me enxergar que todos nós somos Mestres a todo momento e a encontra a humildade e o perdão.
A você Wagner que em seu desamor vingativo e cruel , possibilitou me compreender o que é verdadeiramente amar.
Aos novos companheiros desta jornada que cotidianamente com suas atitudes de carinho e compaixão criam espaços para que eu possa amar, e ser amada.
Namastê
A VIDA !

ROSE - 05/02/08

FENIX DRUSA D'ALMA





PARTE 3

RENASÇO NOS BRAÇOS DO AMOR;
COMPREENDO QUE A DRUSA DE CRISTAL
É A ESSÊNCIA DE MINHA ALMA
E ELA NUNCA SE QUEBRA!
POR ISSO RENASCEMOS DO FOGO
DAS CHAMAS DAS DORES
DE NOSSAS QUEDAS.
EMBORA SÓ NOS CURAMOS
SE EXPERIMENTAMOS O SABOR DE NOSSAS LAGRIMAS.
E O PASSADO QUEIMA DEIXANDO AS MARCAS EM NOSSAS PELES.
SIMBOLOS DO QUE FOMOS .
DESENHOS DO QUE APRENDEMOS.
NA REALIDADE HOJE O MEU MAIOR AMANTE
É A VIDA E MINHA CAPACIDADE DE AMAR
SEM MEDO DE SER.
E NÃO QUERENDO TER!
E AMANDO ASSIM EU ME ENCONTRO.
A ESPERA DE BRAÇOS PARA COMPOR ESSES NOVOS ABRAÇOS.
NAMASTÊ
AO AMOR
AOS ENCONTROS
AS NOVAS POSSIBILIDADES DE SER

Rose 05/02/08